Nonsense consensual em forma de blogue.
Criado no dia 22 de Abril de 2012.

Amílcar Vs Rafaela Vanessa

+ Sem comentários
O grande amor da vida do Amílcar, a sua filha Rafaela Vanessa, está a ficar grandinha. Apesar de tão crescida e espigadota, e de todo o propalado amor, o Amílcar nunca trocou um jogo de dominó por cinco minutos com a Rafaela.

“A minha Rafaela é a filha mais linda do mundo. Marca aí quinze pontos para mim”
“A miúda está bem. Está em casa com o cão.”

Mas a nossa Rafinha, como já foi dito, estava espigadota. Tinha um perfil no hi5 com o sugestivo nome de aQuElA nInAh FufinHa, que levantava muitas dúvidas. Seria a rapariga fofa, macia e cheia de tufos como algodão em rama ou seria uma lésbica deslavada que usava os sapatos do pai?
Sempre atenta e perspicaz, a nossa menina fofinha, esclarecia tudo numa breve descrição de si própria:

“olaah u meu nome e rafaela ,tenhu 18 anox, xou mt feliz cm a minha familia e cm us meus amigox......xau ate mais.”

Certo. Todos entendemos que a Rafinha herdou o prodigioso cérebro do pai. Não foi só a beleza e o bigode. E continuava na sua descrição:

“Filmes favoritos
K muxica pk goxto de ouvir cantar!

Shows de TV favoritos
mtv, mcm, tvi

Livros favoritos
n tenho n goxto d ler

Citação favorita
n me alembro”

Ora o Amílcar estava num dos dias em que se achava bom pai. Até porque a Céu estava fechada.

- Ó Rafaela Vanessa, quéssa fotografia tua no computador?
- Não é nada, pai. Estou a estudar.
- Ó Rafaela...
- Pai?
- Tu não me enganes que eu desgraço-me! E a seguir desgraço-te a ti! Ou ao contrário!
- Pai, não sejas careta. Esta cena é bué de fixe. Tenho aqui montes de migas.
- E as tuas amigas estão todas em cuecas a tirar fotografias com o telemóvel?! Eu vou-me desgraçar, ai vou! Olha que eu estive em África!

A Rafaela tremia. Já sabia que a esperava uma surra um dia que o pai se entornasse um pouco mais que o costume.

- Ó Rafaela, e quem é essa outra também quase nua?
- Não sei, pai. Adicionou-me como amiga.
- Adi...quê? Chega para lá. Como é que se vê esta pouca vergonha? Mostra lá as fotografias para ver se eu a conheço.
- Pai...

Os olhos do Amílcar ficaram esbugalhados e exclamou em tom autoritário:

- Sai daqui do quarto que quero ficar sozinho. Vou, vou...vou conferir para ver se não te tiro o computador.
- Mas Pai...
- Nem mas nem meio mas! E fecha a porta do quarto! Só voltas quando eu chamar.

Bem jeitositas, estas amigas, pensou o Amílcar enquanto ia alegremente clicando com ar de intelectual num bar de strip.


Publicado pela primeira vez em As Aventuras do Amílcar 

Enviar um comentário

Siga-nos por Email