Nonsense consensual em forma de blogue.
Criado no dia 22 de Abril de 2012.

Taxidermia

+ 4 comentários
Mais um texto de um autor convidado. Desta vez é do meu amigo, que já não leio ou vejo há meia década, ATGB. Batam palmas para um dos meus "amadores" favoritos.

Existia Francisco na perpétua angústia de desagradar à mãe. Esta, escrupulosa censora de imperfeitas condutas, oprimia-lhe o viver de crítica em riste: “Não comas depressa”; “Não fales alto”; “Não corras tanto”.

E lastimava-se às amigas: “Demoníaco Francisco, já não sei que fazer dele”.

Certo dia, Francisco, melancólico da tristeza que causava à mãe, abriu a janela do quarto para melhor observar a inconstância de um melro que trocava uma árvore por outra.

Pensou Francisco: “Que bom seria ser melro. Não há notícia de pássaros que entristeçam as mães. Se experimentar, conseguirei ser melro?”

Francisco lançou-se e caiu a pique, dissolvendo-se com elegância no calcário do passeio.

A mãe, alertada pelo aflito murmúrio do bairro, assomou à janela e de tudo se inteirou. E decidiu fazer o que é habitual em idênticas circunstâncias: levou Francisco a embalsamar, num estabelecimento dedicado a esta arte.

A operação foi breve e relativamente simples: Francisco estava menos desfeito depois de morto do que enquanto vivia.

Agora, quando uma amiga a visita e aponta Francisco, imóvel no seu lugar ao canto da sala, responde a mãe de semblante atenuado: “Está muito melhor. Porta-se tão bem, desde que aprendeu a voar”. 





Nota: Publicado pela primeira vez na FLD, na segunda no extinto Wickedpedia (Medinos) e agora por aqui. Merece.

4 comentários:

  1. Este gajo causa-me arrepios. Escreve tão mas tão bem...

    ResponderEliminar
  2. Já tinha lido isto na antiga Federação de Defesas. Simplesmente brilhante.

    ResponderEliminar
  3. fogo...esta mesmo lindo lindo...e como eu percebo o Francisco!!!

    ResponderEliminar

Siga-nos por Email